Artigos

Nesta sessão encontram-se comunicações e artigos acadêmicos apresentados por professores e estudantes em encontros e seminários do ensino superior exclusivamente sobre Malba Tahan. Acham-se também artigos diversos escritos por admiradores e estudiosos do célebre professor de matemática. Muitos outros artigos serão acrescentados à presente relação de trabalhos. Espera-se que a reunião dessas reflexões sobre Malba Tahan possa servir a pesquisadores e interessados em geral.

Uma especial página da Educação Matemática Brasileira

Sergio Lorenzato

“Este artigo mostra as razões das homenagens que se prestam, em inúmeras escolas brasileiras, ao precursor do ensino de uma Matemática compreensível, fabulosa, pitoresca, divertida, escandalosa.”

Ciência em foco, V. 1, N.2, 2009.
Faculdade de Educação – UNICAMP
http://ojs.fe.unicamp.br/…PDF

Malba Tahan em sala de aula: construindo diálogos e possibilidades pedagógicas interdisciplinares na educação

Leonardo Silva Costa e Cristiane Coppe de Oliveira, 2016

“Esse resultado foi o que se poderia ser chamado de marca registrada do discurso do professor Júlio César – Malba Tahan: tornar a Matemática divertida e curiosa no processo de ensino e de aprendizagem em Matemática aos seus ouvintes e leitores.”

X Encontro Nacional de Educação Matemática
http://www.sbembrasil.org.br/…PDF

O Ensino Médio e a álgebra: uma abordagem inspirada em Malba Tahan e apoiada por jogos e pela informática educativa

Caio Vinícius B.P.de Campos e Tadeu Fernandes de Carvalho, 2015

“Para sua primeira aula, Malba Tahan escolheu o estudo dos ‘métodos obsoletos’ de ensino, comparativamente aos ‘métodos progressistas’, e para surpresa geral, ouvimos o mestre recomendar que, em nossas salas de aula, nos utilizássemos de laboratório de ensino de Matemática, de jogos Matemáticos, de redescoberta, do raciocínio heurístico, de resolução de problemas, de histórias da Matemática e de aplicações da Matemática.”

XX Encontro de Iniciação Científica
Pontifícia Universidade Católica de Campinas
www.puc-campinas.edu.br/…PDF

Leitura e Matemática: potencializando textos de Malba Tahan na forma de materiais curriculares educativos

Bianca Kariny Fernandes dos Santos e  Narciso das Neves Soares, 2015

“Percebemos com certa frequência, nas falas dos professores, que há muita dificuldade no planejamento para conciliar a disciplina de matemática com materiais curriculares diferentes, além do livro didático. Em vista disso, a tarefa que faz parte desse material curricular educativo, é ajudar o professor com elementos retratados do texto de Malba Tahan, nas ações docentes no ambiente escolar.”

Jornada de Estudos em Matemática I
Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
https://jem.unifesspa.edu.br/…PDF

Malba Tahan: passado e presente no contexto da Educação Matemática Mineira

Cristiane Coppe de Oliveira, 2011

“O educador Malba Tahan retratou, em sua época, um perfil prático-profissional que condizia com as características e o discurso pedagógico que apresentava em suas obras. Manifestava uma posição crítica em relação ao currículo e aos programas implantados nas escolas. Ele afirmava que “era necessário fazer uma revisão cuidadosa dos programas de matemática com o objetivo de simplificá-los, torná-los mais vivos e mais interessantes”.

IX Seminário Nacional de História da Matemática
http://www.each.usp.br/…PDF

Contos e encantos na literatura de Malba Tahan no Ensino Fundamental

Alícia Santana de Castro e Gisele Maria Costa Souza, 2011 

“A literatura de Malba Tahan é criativa, envolvente e pode auxiliar no resgate de temas, como virtude e valores, sem ser moralista. Suas obras exaltam o belo, o bom, o verdadeiro e possuem elementos apropriados para refletir sobre ética, religião e literatura. Seus textos são didáticos, por apresentar informações sobre os costumes, o dialeto, os lugares bem detalhados e a conduta dos povos sobre os quais escreve.”

Revista Aleph Ano V, No. 16, 2011
www.uff.br/revistaleph/…PDF

Malba Tahan: homem e personagem

Helder Macedo de Held, 2010

“Seus trabalhos envolvendo literatura e matemática são reconhecidos ainda hoje pela linguagem intrigante, envolvente e que gera o sentimento de sempre estar a descobrir algo novo. Essa ligação entre os saberes poéticos e exatos fizeram de Malba Tahan um dos mais reconhecidos literatos da linha infantil.”

ANPUH/SP – UNESP
http://www.anpuhsp.org.br/…PDF

Pesquisa e uso de metodologias propostas por Malba Tahan para a melhoria do ensino

Tânia Maria Vilela Salgado Lacaz e Juraci Conceição de Faria Oliveira, 2004

“Esta pesquisa apresenta a modelagem dos problemas do livro e, seguindo a orientação pedagógica do autor, a resolução desses, utilizando além das fórmulas clássicas, recursos educacionais que tornem agradável as aulas de matemática, encantando o aluno e o educador.”

Projeto de Educação Continuada de Professores da Rede Municipal de Queluz, SP
www.unesp.br/…PDF

Três breves histórias sobre Malba Tahan

Moysés Gonçalves Siqueira Filho

“Mello e Souza e suas parcerias, por meio de suas produções, inserir-se-iam em um contexto histórico de transformação e carregariam os valores de um discurso eminentemente político, balizados, sobretudo, pelos princípios das reformas educacionais modernizadoras.”

Artigo publicado pela Associação dos Professores de Matemática
http://www.apm.pt/…PDF

Malba Tahan: um ator na cena da escola

Rafael Elias Paixão Lourenço Barbosa

“Seus princípios, tão diferentes no modo de dar aula, são bem simples e o próprio Malba se encarregou de enunciá-los no livro Antologia da Matemática: ‘Deve-se ensinar bem o fácil, o que é básico e fundamental; insistir nas noções conceituais importantes; obrigar o estudante a ser correto na linguagem, seguro e preciso em seus cálculos, impecável em seus raciocínios’. Tudo que possa cheirar a chatice e obscuridade deve ser evitado ao máximo.”

http://www.jornalolince.com.br/…PDF

Júlio César de Mello e Souza e a Educação Matemática

Enne Karol, Venancio de Sousa e  John A. Fossa

“Assim, fica claro que um dos seus propósitos fundamentais era o combate ao formalismo e rigor inapropriado que reinava dentro da sala de aula (conjuntura que ele taxava de algebrismo), tanto em relação ao conteúdo matemático, quanto ao comportamento do professor e dos alunos. Sua arma principal era o do storyteller, que, através da sua arte, fazia a aprendizagem da matemática uma experiência prazerosa e significativa.”

2º Encontro Nacional de Pesquisa em História da Educação Matemática, UNESP, SP
www2.fc.unesp.br/enaphem/…PDF

O pioneirismo de Malba Tahan na educação matemática brasileira

Enne Karol Venancio de Sousa / John Andrew Fossa, 2014

“Numa época em que a Educação Matemática brasileira ainda procurava se estabelecer como campo de investigação científica, Mello e Souza abordava alguns dos temas que se tornariam centrais a essa nova ciência. Neste sentido, podemos destacar o combate ao formalismo excessivo, a elaboração de materiais didáticos, a utilização de laboratórios de matemática e atividades lúdicas, bem como a interdisciplinaridade.”

14º Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia
www.14snhct.sbhc.org.br/…PDF

Malba Tahan: muito além do pseudônimo

Pedro Paulo Salles e Andre Pereira Neto, 2015

“Para que a mistificação literária ficasse completa, ainda restava criar um tradutor, já que Malba Tahan escrevia hipoteticamente em árabe. Julio inventou então um tal Breno Alencar Bianco, tradutor fictício que passou a figurar em seus livros a partir da primeira edição de ‘O Homem que Calculava’, em 1938. Tudo levava o leitor a crer que Malba Tahan tivesse existido de fato. Ainda hoje, muita gente acredita que ele tenha sido realmente um árabe de longas barbas brancas e turbante.”

MOSTRA DO CAEM – IME – USP
https://www.ime.usp.br/…PDF

Malba Tahan. Prazer em conhecê-lo!

Claudiomar Pinto de Oliveira, 2004

“O sábio professor afirmava que o caderno deveria ‘refletir a vida do aluno’, e assim incentivava a organização dos cadernos, para que colassem gravuras, recortes de jornais e revistas, usando assim a ilustração na construção da aprendizagem.”

VIII Encontro Nacional de Educação Matemática
www.miltonborba.org/…PDF

Controvérsia sobre Educação Matemática no Brasil: Malba Tahan versus Jacomo Stavale

Wagner Rodrigues Valente, 2003

“Este texto tem por objetivo analisar historicamente debate entre dois professores brasileiros de matemática no início dos anos de 1930. Nessa época, foi criada a primeira lei nacional de ensino – Reforma Francisco Campos – com um currículo nacional que caracterizava, pela primeira vez no país, a disciplina denominada “Matemática”, resultado da integração dos ramos independentes aritmética, álgebra e geometria. Os protagonistas da discussão foram os professores Júlio César de Mello e Souza (1895–1974) e Jacomo Stávale (1881– 1956).”

Fundação Carlos. Chagas Cadernos de Pesquisa
www.scielo.br/…PDF

Desafios no ensino de matemática: a didática de Malba Tahan e os pcn

Luiz Fernandes da Costa

“Nesse encontro sob o tema ‘Malba Tahan e a Educação Matemática’, os alunos assistiram a discussão e influência desse educador nos rumos da educação, assim como a sua trajetória, na forma teatralizada em ‘O vendedor de esperança’. Revestidos de novas ideias, em 2006, os alunos puderam vivenciar uma Matemática divertida, criativa e conhecer um pouco da História da Matemática.”

II CNEM/IX EREM, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
www.projetos.unijui.edu.br/…PDF

Vivenciando Malba Tahan

Ana Gabriella de Oliveira Sardinha, Maria Terezinha Jesus Gaspar, Patrícia de Souza Carvalho

“O trabalho de transformação dos problemas do livro ‘O Homem que Calculava’ em jogos se deu a partir da necessidade da criação de atividades diferenciadas; o que possibilitou o desenvolvimento do raciocínio matemático apresentado nos problemas de Beremiz por meio de materiais concretos construídos pelos monitores.”

V Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática, UFPb
www.mat.ufpb.br/…PDF

O ensino da matemática através do lúdico por intermédio da metodologia de Malba Tahan

Ionara Macêdo de Araújo, Amanda Beatriz M. Araújo, Luana Gabriela Martiniano da Silva, Maria da Conceição Vieira Fernandes, 2016

“Com isso, podemos observar que para Malba Tahan, a história da matemática e a utilização de materiais concretos são recursos que tem o papel de atrair a atenção dos alunos em sala de aula, incentivando a curiosidade e permitindo uma melhor compreensão dos conteúdos estudados. Assim, os alunos deixam de serem apenas seres passivos no processo de ensino-aprendizagem, e passam a ser formadores do seu próprio conhecimento.”

IX Encontro Paraibano de Educação Matemática
https://editorarealize.com.br/..PDF

Malba Tahan: Cem anos de Matemática e Literatura

Prof. Dra. Estela Kaufman Faiguelernt, 2006

“Ele produziu textos didáticos primorosos, praticou e inovou muito o ensino de Matemática, enfocando temas vibrantes, como o desenvolvimento cognitivo, a interdisciplinaridade e a multidisciplinaridade – que encantam os especialistas de hoje (…).”

Artigo apresentado no Simpósio  Malba Tahan, Queluz, SP

A incalculável herança do O homem que calculava de Júlio Cesar Malba Tahan de Mello e Souza

Valdemar Vello – professor e editor, 2006

“A obra toda de Júlio César de Mello e Souza é valiosa para a Educação Matemática. Sua organização cuidadosa nos permite aplicá-la, quase em sua amplitude, aos conteúdos das diferentes séries do Ensino Fundamental (…).”

Artigo apresentado no Simpósio de Malba Tahan, Queluz, SP.

Um (re)encontro com Malba Tahan

Prof. Dr. Sergio Lorenzato

“Atualmente, nas tendências da Educação Matemática, a resolução de problemas, a redescoberta, a aprendizagem com significado, a história da Matemática, a lógica, as aplicações, entre outros temas, podem ser facilmente encontrados, mas eles já estavam nos livros e nas aulas de Malba Tahan há mais de quarenta anos.”

Artigo publicado na Revista Zetetikà, da FE-UNICAMP:Círculo de Estudo – Memória e Pesquisa em Educação Matemática, Ano 3, No. 4, novembro, 1995.

O homem que calculava: vida e obra de Malba Tahan

Maria Theresa Cavalheiro

“Sua obra tem um sentido místico e, através dela, Malba Tahan sempre procurou ensinar, instruir, ao mesmo tempo em que buscava divertir. Criou métodos de ensino próprios, depois chamados ‘lúdicos’, tirando da Matemática a fama de matéria difícil ou desagradável.”

Artigo publicado no Jornal Leitura, 11/1991, SP.

Malba Tahan

Ruth Sylvia Miranda Salles, 1974.

“Sim, o nobre árabe Ali Yesid Ibn Salim Hank Malba Tahan fora também o estimadíssimo professor Júlio César dos meus tempos de ginásio que, solene e jovial ao mesmo tempo, entrava em classe pondo a mão a altura do coração e da testa, numa saudação muçulmana, dizendo ‘Salam aleikum’ (…).”

Artigo cedido pela autora, poeta, professora e escritora, sobrinha de Malba Tahan.

Malba Tahan

Humberto de Campos, 1931

“E eu, vendo partir este beduíno atrevido e cheio de fé, e sabendo que já não estarei vivo quando ele voltar, mas certo de que fará vitoriosamente a travessia – eu, pondo minhas mãos trêmulas sobre a sua cabeça turbilhonante de sonho, limito-me, como xeque quase cego, que já não vê o fogo diante da própria tenda, a dar-lhe a voz de partida (…).”

Artigo apresentado no livro de Malba Tahan, Mil histórias sem fim.

As histórias infantis de Malba Tahan: um caleidoscópio interdisciplinar

Juraci Conceição de Faria

“Redirecionamos nosso olhar para uma questão central de nossas pesquisas: em plena década de 60, seria a intenção de Malba Tahan contrapor–se ao momento educacional brasileiro, fortemente marcado pela disciplinaridade e explorar distintas esferas do saber em suas histórias destinadas ao público infantil?”

Artigo apresentado à FE-UNICAMP
http://docplayer.com.br/…HTML

A dimensão mítica e o discurso pedagógico de Malba Tahan em o O homem que calculava e Imaginário e educação matemática: aproximação com a mitocrítica

Cristiane Coppe de Oliveira e Ubiratan D´Ambrosio

“O Homem que Calculava é uma obra resultante da convergência de vários domínios do conhecimento humano, todos eles visitados pela curiosidade e pelo rigor erudito de Malba Tahan: os domínios da educação, da matemática, da cultura e filosofia orientais – especialmente do mundo árabe – e o da narrativa tradicional. A experiência que teve em sua vida vivida de professor e contador de histórias, de investigador da ciência matemática e estudioso do povo árabe condensou-se nesta obra singular.”

IX Encontro Nacional de Educação Matemática
www.sbembrasil.org.br/…DOC

Malba Tahan: da imaginação à sabedoria

Gabriele Greggersen

“(…) obra alta, das mais altas, e só necessita de um país que devidamente a admire; obra que ficará a salvo das vassouradas do Tempo como a melhor expressão do binômio ‘ciência-imaginação’. Que Allah nunca cesse de chover sobre Malba Tahan a luz que reserva para os eleitos.”

Artigo enviado cordialmente pela autora em 2017.

De Malba Tahan: buscando situações de aprendizagem acerca da história da matemática como recurso didático

Cristiane Coppe de Oliveira, 1957

“Constatou-se que a maioria dos tópicos apresentados na Revista Lilaváti com essa temática, tende para a categoria humanizar a Matemática, apresentando suas particularidades e figuras históricas.”

Revista Lilaváti

O homem que calculava no teatro

Atílio Bari – Produtor teatral, 2006

“Vários fatores me impulsionaram a realizar a montagem teatral: a questão da desmistificação da matemática foi o fator determinante. Os personagens exóticos, a fantasia do tipo “Mil e uma noites” e as possibilidades dramatúrgicas do texto foram igualmente importantes. Para realizar o trabalho, procurei me cercar de estudiosos da obra de Malba Tahan (…).”

Artigo apresentado no Simpósio de Malba Tahan, Queluz.

Julio, 1974

Julieta de Mello e Souza

“(…) o desejo de ‘subir a rampa que leva à serenidade de Deus’, no dizer de Saint-Exupery. Essa força e esse desejo, latentes dentro dele, foram presenças contates em sua alma. Talvez muitos amigos e admiradores pensem nele apenas como Malba Tahan, alegre, amável e divertido. Ele era realmente tudo isso e muito mais: era bom e humilde de coração.”

Autora: irmã de Malba Tahan, fundadora, junto com sua irmã Olga, do Colégio de Mello e Souza, no Rio de Janeiro. Artigo cedido por sua filha, Ruth Salles, em 2006.

Malba Tahan – um precursor

Sergio Lorenzato, 2004

“A Revista Science, renomada publicação americana de circulação internacional, ocupou-se de sua vida e obra em matéria divulgada há alguns anos. Seu centenário foi motivo de destaque na revista espanhola UNO, especializada em Didática da Matemática. Malba Tahan é considerado, ao lado de Sam Loyd, Yakov Perelman e Martin Gardner, um dos mais importantes recreacionistas e populaziradores da Matemática em todo o mundo.”

Revista Educação Matemática, SBEM

Um ensaio histórico sobre a geometria: proximidades com a perspectiva de Malba Tahan na revista Al-Karismi

Flavia de Fátima Santos Silva e Cristiane Coppe de Oliveira, 2016

“Como dito anteriormente, uma das críticas de Malba Tahan aos programas era a forma indevida com a qual a geometria era ensinada, o “Geometrismo”. Tal crítica, chamada de “uma enormidade, um Geometrismo descabido”, pode ser melhor entendida nas palavras de TAHAN…”

3º Encontro Nacional de Pesquisa em História da Educação, UFES
www.eventos.ufes.br/…PDF